em Tendências

Fique por dentro de tudo que rolou nas semanas de moda internacionais

As semanas de moda  de primavera/ verão (Spring/Summer 2020) acabaram de terminar e já nos deixaram com um gostinho de quero mais, de 06 de setembro à primeiro de outubro acompanhamos cada detalhe do que aconteceu nas passarelas pra te deixar atualizado sobre os rumos que a moda vem tomando.

O papel dos desfiles das semanas de moda internacionais na moda brasileira é de influenciadores, somos influenciados, por cores, shapes, materiais, mas sempre sem esquecer nossa essência e sem deixar de valorizar nossos próprios costumes e gostos culturais, criando assim uma moda plural com características globalizadas mas com o DNA do brasileiro em primeiro lugar.

Dessa vez resolvemos mudar nossos padrões de reportar tendências desfiladas e apresentar os nossos desfiles favoritos das 4 maiores semanas de moda do mundo, com os looks mais cheios de conceito pra se inspirar na hora de criar suas coleções.

Abaixo você confere o que rolou de mais interessante nas semanas de moda e o que você não pode deixar de ver antes de criar sua coleção para a próxima primavera.

 

NYFW

 

De 06  à 13 de setembro rolou a semana de moda nova iorquina que conta com nomes de peso como  Tom Ford, Jeremy Scott, The Row, Tommy Hilfiger, Pyer Moss, Vera Wang, Oscar de la Renta e Carolina Herrera.

Nos desfiles em NY percebemos que o minimalismo e os ombros marcados já mencionados por aqui anteriormente seguem em alta, além deles a alfaiataria agora aparece com destaque no branco. Nas novidades temos um toque de anos 80 e a gola Peter Pan que marcou presença em diferentes desfiles

Dentre os desfiles apresentados nosso favorito da semana foi o da Proenza Schouler criado por  Jack McCollough e Lazaro Hernandez. Representando muito bem a atualidade, os looks conforme descrito pelos  próprios criadores foram inspirados em mulheres “duronas”, em seus escritórios, baseado principalmente em suas mães e seus looks de trabalho nos anos 80, o desfile trouxe uma alfaiataria muito bem estruturada composta por blazers elegantes sobrepondo tops com decotes V, nas peças voltadas para noite, os vestidos assim como os demais looks representavam a aura de mulheres no comando.

As cores predominantes foram o preto, o off white, o cinza e tons terrosos com poucos looks em amarelo e branco.

 

London Fashion week

A segunda semana de moda de setembro foi sediada em Londres, ente os dias 13 e 17 do mês, o que vimos na semana de moda londrina foi: Volume. Nas mangas, nas saias, em babados em lugares pouco previsíveis, as vezes feitos com o auxilio de franjas e e outras com o auxilio de chapéus. A  palavra de ordem foi extravagância. Para quem busca uma moda feminina, cheia de vestidos e babados para a primavera, essa é a semana de moda que você precisa se inteirar.

Apesar da semana de Londres ser marcada pelos looks excêntricos de marcas como Erdem, Ports 1961, Christopher Kane, escolhemos a Burberry com uma linha esportiva  que desconstruiu aspectos já consolidados da marca e que tem tudo a ver com o cenário nacional.  Riccardo Tisci, o criador por trás do desfile, fez uma coleção com aspecto jovem cheia de tecidos  modernos em shapes despojados e elegantes que controlam por vezes até mesmo a temperatura das peças.

Monocromático, cinza e caqui foram as cores mais usadas, linhas retas dispostas com aviamentos fizeram do desfile um show de autenticidade.

 

Milan Fashion Week

Poderíamos resumir as tendências apresentadas no  Milan fashion week desse ano em: Safari. Não faltaram, macacões, bolsos e tons caqui,  os shows foram tão bem apresentados que escolher apenas um foi tarefa árdua.

Muitos looks  representaram a tendência safari, em seus tons e shapes originais e também em peças remodeladas e desconstruídas.  Animal print, e modelagens como macacões  marcaram presença entre 17 e 23 de setembro em Milão. A semana também foi comentadíssima por uma releitura do Jungle Dress da Versace, look icônico,  usado por Jenifer Lopez no Grammy dos anos 2000. Na época, tantas pessoas pesquisaram imagens da peça que o Google se inspirou para criar a pesquisa de imagens do Google.

A semana de moda foi marcada também por novas tendências,uma delas está nas estampas com menções à artistas como  Matisse e Picasso. Outra das tendências que vieram pra ficar é  Milão que levantou fortemente a bandeira da sustentabilidade. A Prada, por exemplo,  foi uma das 32 marcas de moda que assinou o Pacto de Moda no mês passado e se comprometeu a usar o nylon regenerado feito com materiais usados, a designer-chefe Miuccia Prada defendeu um guarda-roupa atemporal nas passarelas.

Dentre os shows exibidos, nosso favorito foi a Gucci, Alessandro Michele levou para as passarelas looks coloridos, com tecidos transparentes, em uma coleção mais refinada que as anteriores e mais clean, seguiu referenciando o vintage dessa vez com uma pegada de anos 90, sempre reforçando a ideia de uma moda sem gênero.

No inicio de seu desfile apresentou uma serie de peças monocromáticas brancas que fogem totalmente a estética da Gucci e remetem à camisas de força de antigos hospitais psiquiátricos, durante o desfile uma das modelos fez um protesto referente ao uso de peças que simbolizam um passado infeliz da sociedade, após o protesto Alessandro  justificou que os looks representam: “A versão mais extrema de um uniforme ditado pela sociedade e por quem a controla”. A marca informou que os itens inspirados na camisa de força não serão disponibilizados para venda, e que foram projetados “para representar como, através da moda, o poder é exercido ao longo da vida”. A coleção como ressaltamos anteriormente também apresentou vários itens coloridos que a Gucci idealizou como um “antídoto” para as roupas utilitárias brancas.

 

Paris Fashion Week

 

A última das 4 maiores semanas de moda internacionais, foi marcada por aquilo que é popularmente conhecida: Glamour.

Paris apresentou uma moda cheia de alfaiatarias descoladas, com ombros bem realçados, manteve também estampas multicoloridas como poás, listras e quadriculados em evidência, mas o que chegou como novidade foram as bermudas femininas na altura do joelho, em alfaiataria ou jeans reformulando uma das pecas que pouco se destacou nos últimos anos.

Uma vibe setentista também deu as caras na passarela com mix de estampas e shapes que marcaram a época. Dentre os materiais a atenção se voltou pras rendas e para os tecidos metalizados que trouxeram novos ares aos desfiles de primavera/ verão parisienses.

A semana ainda foi marcada por desfiles espetaculares e um imprevisto cômico no desfile da Chanel. Marie Benoliel, comediante francesa também chamada pelo pseudonimo Marie S’Infiltre, é conhecida por sua capacidade de se infiltrar em eventos e por satirizar a cultura e a sociedade francesa. A comediante, invadiu a passarela com um look Chanel vintage que pertencia a sua mãe e teve seu momento desfilando tal qual uma das modelos da marca. Só desistiu de seu espetáculo quando foi confrontada pela Top model Gigi Hadid que a acompanhou ate a saída.

Com tantos shows marcantes, a recomendação principal é acompanhar tudo que rolou nas 4 maiores semanas de moda do mundo, pois as inspirações são fascinantes.

Em Paris, o nosso queridinho foi o desfile o da Balmain. Ao som de Britney Spears, em um desfile mais pop do que a marca costuma apresentar, Olivier Rousteing, deu à Paris uma primavera/verão 2020 que mais soava como o inicio dos anos 2000.  Com direito à muitos grafismos geométricos e  P&B trouxe suavemente uma aura de anos 60,  os looks monocromáticos em tons saturados, em modelagens sexys com o DNA da marca  acompanhados de colares gigantescos e tecidos exuberantes fizeram desse desfies um espetáculo pra assistir mil vezes.

 

Para conferir todos os looks desfilados, e saber as cores que mais se destacaram em  no S/S 2020,agende uma demostração e conheça a Donna, nossa Inteligência artificial que indica tendências baseadas nos desfiles internacionais.

Postagens Recentes

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

Bitnami